O presidente do Chile, Sebastián Piñera, anunciou na noite deste Domingo (10),o início do processo para uma nova Constituição através de um “Congresso Constituinte”, com “ampla participação cidadã e um plebiscito que o ratifique”. A medida foi confirmada após reunião na casa do chefe do Executivo do país.

A manobra atende a uma das principais demandas surgidas nos protestos convocados pelo povo chileno. De acordo com a agência de notícias France Press, o ministro do Interior, Gonzalo Blumel, e líderes do “Chile Vamos”, coalizão política que reúne quatro partidos de centro-direita e direita, estiveram presentes na reunião.

O bloco político defendia uma mudança profunda da Carta Magna, herdada da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990). Os prazos ainda não foram definidos pelo governo chileno. “Acredito nas mudanças na Constituição, que são legítimas e vamos discuti-las”, afirmou Piñera no último sábado (9).