A cidade que abriga o maior Polo Industrial da Bahia, Camaçari, na região metropolitana de Salvador, vai ter cerca de 10% de perda na arrecadação de receitas após o encerramento das atividades da fábrica Ford no Brasil.

PERGUNTAS E RESPOSTAS: Ford fecha fábricas no Brasil
HISTÓRIA: Ford foi a 1ª a produzir carros no Brasil
FOTOS históricas da Ford no Brasil
REPERCUSSÃO do fechamento das fábricas
O Polo Industrial de Camaçari completa, em junho, 43 anos de operação. Um dos maiores complexos industriais integrados do Hemisfério Sul, desempenha papel importante no setor produtivo do estado.

Em entrevista ao G1, o prefeito de Camaçari, Elinaldo Araújo, contou que a cidade, que tem arrecadação anual de cerca de R$ 1,3 bilhão em impostos, perdeu R$ 30 milhões do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS) e mais R$ 100 milhões do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) da receita líquida com o fechamento da montadora de veículos.

“Esse ano já perdemos cerca de R$ 30 milhões e a partir do ano que vem cerca de R$ 130 milhões. O município tem uma receita anual de R$ 1,3 bilhão e vai perder R$ 130 milhões, vai perder mais de 10% da capacidade de arrecadar. Sendo que a receita era de recurso próprio e o R$ 1,3 bilhão era toda a receita. São receitas do Fundeb, do SUS, que juntas dão esse total”, disse o prefeito de Camaçari.

Elinaldo Araújo conta que Camaçari, que hoje tem 300 mil habitantes, tinha 30 mil habitantes na década de 70. A população cresceu bastante com a implantação do polo petroquímico nos anos 80, 90 e início dos anos 2000, quando a Ford foi implantada na cidade.

“Desde que a Ford foi implantada aqui [Camaçari] a população tem crescido cerca de 10 mil por ano”, revelou.
De acordo com o prefeito, a chegada da Ford em Camaçari avançou na arrecadação da prefeitura e fortaleceu o polo petroquímico.

“Nós já tínhamos um polo e com a vinda da Ford ele se tornou um polo automotivo. Juntando os dois polos, a cidade se tornou um polo industrial”, contou.
Elinaldo afirma que já se movimenta para trazer outra empresa do ramo automobilístico para a cidade. O governador da Bahia, Rui Costa, também afirmou que já procura a Embaixada da China para sondar investidores para assumir negócio no estado.

Além da perda de receita, o município vai registrar mais de 12 mil demissões. O gestor municipal também lembrou das pessoas que não trabalham em empresas relacionadas com a Ford, mas prestam serviços para os funcionários, como escolas, restaurantes e lojas do comércio local.
De forma indireta, a Ford ajudava a manter viva uma enorme cadeia econômica em Camaçari. Muito dos 12 mil funcionários da empresa moravam na cidade e usufruíam do comércio local, hospitais e escolas da região.

O prefeito Elinaldo Araújo afirma que o aluguel de casas, empresas que fazem transporte dos trabalhadores, restaurantes, outras fábricas que fornecem peças e equipamentos, como pneus, por exemplo, foram ou serão impactadas pela saída da Ford.

“Só [empresas] agregada soma mais de 12 agregadas. As pessoas compravam no comércio de Camaçari, almoçavam no comércio de Camaçari, jantavam, tomavam café, muitos vieram morar aqui, tinham convênio, pagavam escola particular para os filhos”, disse.

Segundo o prefeito, muitas desses funcionários vão precisar usar os serviços de educação e saúde ofertados pela prefeitura. Essa nova demanda necessitaria de mais investimento.

“Agora as pessoas não vão ter mais convênio e vão começar a usar a saúde do município. As crianças vão começar a estudar nas escolas públicas. Isso cria um problema geral no município, porque além de ter que investir mais para as pessoas, vamos arrecadar menos”, explicou.
Outro ajuste a ser feito pela prefeitura é na Lei Orçamentária Anual (LOA), que tinha previsão de arrecadação baseada no que a Ford significava para o município. “Nós vamos ter que reformar a nossa LOA, redistribuir e fazer alguns cortes para que o município não fique sem pagar as contas”.