Uma mulher de 36 anos morreu após ser espancada pelo companheiro na cidade de Simões Filho, na região metropolitana de Salvador. De acordo com a polícia, Ana Amélia dos Santos Silva após ser agredida, a manicure foi levada para o Hospital do Subúrbio, em Salvador, onde ficou internada por seis dias. O crime ocorreu no dia 25 de maio.

A vítima não resistiu aos ferimentos e morreu na sexta-feira (1º). Ela deixou uma filha de 9 anos, fruto do relacionamento com o agressor. O suspeito, identificado como Ivan Santos, 33 anos, se apresentou à polícia e está preso na 22ª Delegacia, em Simões Filho.

Ana Amélia foi socorrida pelo irmão, que relatou, emocionado, como a manicure estava a caminho do hospital. “Quando eu levei ela para o hospital ela estava consciente. Ela só não conseguia falar, só gesticulava. Ela fez cirurgia, teve traumatismo craniano, mas, infelizmente, ela estava muito debilitava e veioo a óbito”, disse Magno dos Santos.

 

Ana Amélia morreu seis dias após ser internada por conta de agressão do marido (Foto: Reprodução/ TV Bahia)

Ana Amélia morreu seis dias após ser internada por conta de agressão do marido (Foto: Reprodução/ TV Bahia)

Conforme familiares da vítima, o suspeito é encanador e vivia com Ana Amélia há 15 anos. Ele se apresentou à polícia na sexta, dia em que ela morreu.

O irmão da vítima disse que testemunhas relataram que a maior parte das agressões ocorreu do lado de fora do imóvel onde o casal morava. “Ele deu vários chutes nela, pisou, disse que ia matar ela, que ela tinha que morrer”, contou o irmão.

 

Segundo a família, a discussão entre o casal começou cedo e foi motivada por ciúme de um amigo de Ivan que dormiu na casa da família, porque todos eles teriam chegado tarde de uma festa.

O rapaz foi mandado embora. O agressor também quebrou móveis e uma televisão. Ana Amélia chegou a gritar por socorro. Os parentes que moram perto foram até a casa da vítima para saber o que estava acontecendo, mas, como já tinham presenciado outras discussões, não imaginavam que a situação era tão grave e foram embora.

“Uma barbaridade, uma covardia um homem fazer uma coisa dessas com uma mulher”, disse o irmão de Ana Amélia, Magno, que socorreu a vítima.

A mãe de Ana Amélia está inconsolável e pede por justiça. “Nunca imaginei na minha vida passar por uma situação dessa. A minha filha, mais nova do que eu, eu enterrar ela, que era minha companheira, que saia comigo para tudo quanto era lugar. Hoje está debaixo do chão. Eu não tenho nem palavra para falar, só quero justiça, que ele pague pelo que ele fez com minha filha. Eu tô sofrendo demais. Tá faltando um pedaço de mim. Eu não sei como me recuperar mais. Eu tenho que ser forte e pedir ajuda a Deus”, disse a mãe da manicure, dona Maria da Conceição.