Segunda, 25 de Outubro de 2021
(71) 99921-1917
Educação Palestras

Sedes promove palestra sobre violência contra a mulher para pessoas surdas

A ação foi realizada pela Coordenadoria de Atendimento Integral à Mulher em Situação de Risco

20/08/2021 08h47
Por: Redação Fonte: Dicom Pmc
Sedes promove palestra sobre violência contra a mulher para pessoas surdas

A Secretaria do Desenvolvimento Social e Cidadania (Sedes) promoveu na manhã desta quinta-feira (19/8) uma palestra voltada para pessoas surdas, sobre violência doméstica e familiar contra a mulher. A iniciativa faz parte da campanha Agosto Lilás e aconteceu no Centro de Integração e Apoio do Trabalhador (Ciat).

A ação foi realizada pela Coordenadoria de Atendimento Integral à Mulher em Situação de Risco, através do Centro de Referência de Atendimento à Mulher (Cram) Yolanda Pires, em parceria com a Coordenadoria de Proteção Social Básica (CPSB), através da Gerência de Serviços para Pessoas com Deficiência (Gedef).

Na oportunidade, a palestrante Vitória Bastos, que é assistente social do Cram, trouxe esclarecimentos sobre os cinco tipos de violência contra a mulher, que são: psicológica, patrimonial, moral, sexual e a física, todas previstas na lei Maria da Penha. Além disso, os serviços oferecidos pelo centro também foram apresentados.  Todo o evento foi traduzido por uma intérprete de Libras. Além de assistir a palestra, as participantes também puderam interagir e trocar experiências.

A secretária da Sedes, Reni Oliveira, pontuou a importância do encontro, que teve como objetivo sensibilizar e oferecer orientação sobre o tema. “É necessário que essas mulheres tenham conhecimento sobre seus direitos, e que elas entendam que existe uma rede de apoio e acolhimento para as vítimas”, disse.

A presidente da Associação de Surdos de Camaçari (Ascam), Grasiele Morais, enalteceu a realização do encontro e destacou a carência de conhecimento que a comunidade tem sobre o assunto. “Como presidente da associação, eu guardei o máximo possível para reproduzir esse aprendizado, porque muitas mulheres surdas não têm conhecimento sobre nada do que foi passado aqui hoje, muitas sofrem violência escondidas em suas casas”, afirmou.

Também estiveram presentes no encontro, a coordenadora do Cram, Bella Batista e a coordenadora da CPSB, Jéssica Ribeiro.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.