Na última quarta feira (17/07), o vereador matense Paulo Henrique (SD) divulgou em um site da capital denuncias sobre supostas irregularidades cometidas pela Câmara Municipal de Mata de São João em um contrato de R$ 186 mil com empresa de digitalização. Conforme a notícia, o parlamentar revelou que a empresa MK Tecnologia e Digitalização Ltda, contratada pela Câmara por meio de pregão presencial, teria usado a estrutura da Casa e servidores na prestação de serviços e ele também questionava a digitalização do acervo.


Ainda conforme a postagem, o vereador já encaminhou o caso ao Ministério Público (MP-BA).
Já se sabe que Paulo Henrique procurou alguns veículos de comunicação para dar ênfase a essa notícia. Ele inclusive questiona a forma “suspeita” como os pagamentos foram feitos.
O presidente da Câmara Municipal, Agnaldo de Lulu (DEM) logo se manifestou sobre o assunto e respondeu ao portal, negando qualquer irregularidade no contrato da referida empresa.

 “Nenhum funcionário da Casa Legislativa trabalhou para a empresa. Não tem absolutamente nada de errado. Contratou gente de Mata de São João. Não procede. Inclusive, ele assediou funcionários para obter declarações contra a gente. Todo mundo já prestou esclarecimento ao Ministério Público. Estamos tranquilos. Não tenho dúvida que será arquivado”.

Ao site o presidente teria alegado que a denúncia é motivada por questões políticas. “A situação dele ficou complica diante do cenário que nós temos. É desespero total e parte para esse tipo de artimanha. Se lançou candidato a prefeito, perdeu a oportunidade porque construiu de forma errada e com nosso crescimento passou a ter um embate pessoal comigo. O vereador chegou a integrar a equipe administrativa quando a licitação foi feita. Passou a questionar a licitação agora. Fizemos o processo de digitalização com a maior transparência possível”, finalizou.
Ao que tudo indica essa não é a primeira e nem será a última vez que o presidente Agnaldo de Lulu terá o vereador Paulo Henrique na sua cola. O vereador de primeiro mandato e já sonha em ser prefeito, se diz “defensor do povo” e está tentando  firmar alianças que levantem a sua moral e o orientem a “desestabilizar” cada vez mais aquele que pode ser o seu Calcanhar de Aquiles.